quinta-feira, 11 de fevereiro de 2010

Projeto: Inclusão espiritual, já!


É muito importante e enriquecedor aprendermos a conviver com a diversidade!
Não podemos fazer de conta que a deficiência não existe. Ela existe, mas não pode e não deve ser um obstáculo para o desenvolvimento espiritual.
As pessoas com deficiência têm o direito, podem e querem desenvolver sua mediunidade e muitas vezes assumir a responsabilidade de servir ao próximo.
Ter uma deficiência não faz com que um médium ou aspirante a médium seja melhor ou pior do que outro médium ou aspirante sem deficiência. Provavelmente, por causa da deficiência, esse médium pode ter dificuldade para realizar algumas atividades e, por outro lado, poderá ter extrema facilidade para fazer outras coisas.
Os médiuns com deficiência precisam de apoio, incentivo e oportunidades de trabalho.
Refletir sobre essa questão, de um Templo com qualidade para todos, significa que nós temos de considerar, dentre outros fatores, a visão ideológica de realidade construída sócio e culturalmente por aqueles que são responsáveis pelo desenvolvimento espiritual da humanidade. "Julgamentos de "deficiência", "retardamento", "privação cultural" e "desajustamento social ou familiar" são todos construções culturais elaborados por uma sociedade que privilegia uma só fôrma para todos os tipos de bolos. E geralmente a forma da fôrma de bolo é determinada pelo grupo social com mais poder na dinâmica da sociedade". Não é raro se ver dentro do ambiente social, a visão estereotipada de que médiuns deficientes são inúteis, são mais propensos a fracassar e não tem como colaborar e trabalhar espiritualmente com as “pessoas normais”.
Estereótipos são resultados da falta de informação e conhecimento que as pessoas tem a respeito da realidade espiritual, social e cultural, como também do processo de desenvolvimento da mediunidade.
A espiritualidade de inclusão baseia-se em dois importantes argumentos. Primeiramente, a inclusão é positiva para a espiritualidade de todas as pessoas independente de suas habilidades ou dificuldades.
O plano espiritual não tem preconceitos, constrói ativamente conhecimentos espirituais em interação com os homens, independentemente da sua condição física.
O segundo argumento baseia-se em conceitos éticos de direito do cidadão. Os Templos são construídos para promover o desenvolvimento espiritual para todos, portanto, todos os indivíduos têm o direito de participação como membro ativo da sociedade na qual estes centros estão inseridos. Todas as pessoas têm direito à uma educação espiritual de qualidade onde suas necessidades individuais possam ser atendidas e aonde elas possam desenvolver-se em um ambiente enriquecedor e estimulante do seu desenvolvimento espiritual, cognitivo, emocional e social.
A oportunidade de trabalhar com médiuns com deficiências é uma dádiva, pois eles permitem a ampliação do nosso senso de auto-aceitação e auto-valorização.
Porque a inclusão? Porque a inclusão funciona."
O principal ponto da espiritualidade de inclusão é que todos os indivíduos podem desenvolver sua espiritualidade. Nós não podemos nos dar ao luxo de manter Templos que somente favorecem uma parcela privilegiada da sociedade.
Precisamos incluir os médiuns com deficiência, pois possuem um potencial ilimitado de aprender e servir.

Se você conhece algum médium com deficiência, sinta-se livre, para trazê-lo ao nosso Templo! Incentive-o a trabalhar conosco!

Os médiuns com deficiência são como nós. Têm os mesmos direitos, os mesmos sentimentos, os mesmos receios, os mesmos sonhos, a mesma sensibilidade e podem tranquilamente transmitir as mensagens e as vibrações dos nossos sagrados Guias e Orixás.

Médiuns Cegos ou com Deficiência Visual
Nem sempre os médiuns cegos ou com deficiência visual precisam de ajuda, ao contrário eles podem nos ajudar. Precisamos deixar que eles decidam como podem ou desejam participar dos nossos ritos.



Médiuns com Deficiência Física
Um médium que usa cadeira de rodas, pode trabalhar em qualquer centro, mesmo porque a cadeira de rodas (assim como as bengalas e muletas) é parte do espaço corporal do médium, ou seja, quase uma extensão do seu corpo.

Médiuns Surdos ou com Deficiência Auditiva
Precisamos aprender as linguagens de sinais. Podemos em pouco tempo incluir em nossos trabalhos e convívio os médiuns surdos ou com deficiência auditiva. Podemos utilizar com eles ainda a comunicação escrita.

Reflita...



Nada Impede Que Eu Seja Feliz (Leci Brandão)

não posso ouvir...... mas percebo as batidas de um coração.
não posso ver......mas sinto a luz do brilho do sol.
não posso andar......mas cheguei até você.
não posso falar....mas me entende quem me vê.
aquilo que falta em mim, não impede que eu seja feliz.
canto e danço, pinto e bordo.
assim, porque deus quis.
saiba que o ver,o andar,o ouvir,o falar.
não são necessidades especiais.
Brasil,
me olhe de frente e venha pra rua,
me inclua nos seus ideais.
BRASIL, BRASIL,BRASIL,
me inclua nos seus ideais.
BRASIL!!!

Agradeço a querida e sagrada vovó Benedita que pediu para eu escrever e divulgar sobre os médiuns portadores de necessidades especiais. Sem sua luz e iluminação, esse tema talvez não viesse à tona.
Que a luz da vovó Benedita ilumine todos os dias nossos corações e que possamos nos unir nesse projeto de inclusão espiritual para que juntos possamos construir um mundo melhor.
Atendendo as orientações da vovó Benedita fizemos uma rampa e deixamos um piso reto para receber os médiuns cadeirantes.
Divulgue esse nosso trabalho, junte-se a nós na campanha:
Inclusão espiritual, já!!!!!



com carinho,
Mãe Márcia de Yemanjá

Nenhum comentário:

Postar um comentário